O seu carrinho de compras está vazio

Loja

Quantidade: 0

Total: 0,00

0

Tesouro de Atreu (Micenas, século XIV a.C.)

Tesouro de Atreu (Micenas, século XIV a.C.)

Túmulo abobadado no local da antiga cidade de Micenas, atribuído ao mítico rei Atreu.

Artes visuais

Palavras-chave

Micenas, Atreu, túmulo, túmulo abobadado, tesouraria, Schliemann, Idade do Bronze, Colina de Panagitsa, Creta, Antiguidade, grego

Extras relacionados

Cenas

Tesouro

Passeio

Micenas

Vista de corte

  • dromos (corredor de acesso)
  • stomion (entrada)
  • tholos (túmulo)
  • câmara funerária interna

Viagem no tempo

Narração

Micenas foi um dos maiores centros da Antiga Civilização Grega, na Idade do Bronze tardia, razão pela qual este período da História Grega é muitas vezes conhecido como Civilização Micênica. Esta grande cidade e a sua citadela foram descobertas por Heinrich Schliemann, no século XIX. Schliemann, também conhecido por ter descoberto as ruínas de Troia, foi o responsável pelas escavações do famoso túmulo abobado na antiga cidade de Micenas. O arqueólogo deu a este túmulo o nome de Tesouro de Atreu, nome do lendário rei de Micenas, pai de Agamêmnon e Menelau. No entanto, ainda não foi provado que esta construção - um tholos - tenha sido efetivamente mandada erigir por Atreu.

Um tholos é uma construção funerária caracterizada por uma planta circular, tendo muitas vezes uma falsa abóbada em forma de colmeia. Embora os primeiros tholoi tenham sido erigidos na ilha de Creta, estas construções são mais características da Idade do Bronze da região do Egeu. Foram descobertos nove tholoi em Micenas, sendo que as suas estruturas consistem de três zonas: um corredor de acesso, uma entrada e a câmara funerária.

O corredor de acesso - dromos - que nos conduz até ao Tesouro de Atreu, na Colina de Panagitsa, tem 36 metros de comprimento e paredes de pedra.

A entrada - stomion - tem cerca de 5,5 m de altura e 2,5 m de largura. O enorme lintel de pedra desta entrada pesa cerca de 120 toneladas. Acima deste lintel vemos uma estrutura triangular em pedra, percursora do arco de descarga.

O diâmetro interno da abóbada é de cerca de 14,5 m, com uma altura de cerca de 13 m. A abóbada foi construída em blocos de pedra dispostos em 33 círculos concêntricos ascendentes. A abertura no topo é coberta por uma pedra circular. A estrutura da abóbada é suportada pelo seu próprio peso, devido ao posicionamento exato das pedras.

O piso deste tholos é de terra batida. À direita da entrada, uma pequena passagem dá acesso à câmara funerária, construída para alojar o defunto e os seus tesouros.

A abóbada, construída provavelmente no século XIV ou XIII a.C., é a maior abóbada do mundo com mais de um milênio. Com exceção da pedra circular no topo da construção, todos os elementos visíveis hoje em dia são originais, ou seja, com mais de 3000 anos. Se o túmulo guardou algum tesouro, este deve ter desaparecido na Antiguidade, uma vez que os arqueólogos não descobriram nada de importante durante as escavações.

Extras relacionados

Apoxiomenos

A característica estátua da Grécia antiga foi encontrada no fundo do Mar Adriático.

Necrópole cristã primitiva, Cella trichora (Pécs, Hungria)

A Necrópole cristã primitiva de Pécs, na Hungria, é um local histórico incomparável.

Arte Paleocristã

As relíquias paleocristãs são testemunhos do culto da morte no I milênio.

O Panteão

O Panteão é um dos mais importantes e melhor conservados templos romanos antigos.

Vestuário (Antigo Egito)

Os habitantes do Antigo Egito usavam roupas e jóias características.

Arquitetura da Roma Antiga

Os principais edifícios da Roma antiga tiveram uma influência significativa na arquitetura...

Panteão (Roma, século II)

O "Templo de todos os deuses" foi construído durante o reinado do imperador romano Adriano.

Arena de Pula (Pula, século I)

Localizada na atual Croácia, a Arena de Pula foi um dos maiores anfiteatros romanos na...

Added to your cart.