O teu carrinho de compras está vazio

Loja

Quantidade: 0

Total: 0,00

0

Zigurate de Ur (3º milénio a.C.)

Zigurate de Ur (3º milénio a.C.)

Os zigurates eram típicas pirâmides com terraços, usadas como templos na Mesopotâmia antiga.

História

Palavras-chave

Zigurate, zigurate, Mesopotâmia, Ur, igreja, civilização, estrutura, santuário, religião, cerimônia, sumério, cidade, 3º milénio a.C., história, Antiguidade, astronomia, arquitetura, bairro do templo, clero, deuses

Extras relacionados

Cenas

Zigurate

Pirâmides de degraus sumérias

Os zigurates (do termo acádio ziqqurat, significando ´construído num plano elevado') eram enormes pirâmides de degraus edificadas na Antiga Mesopotâmia. A forma piramidal era puramente casual, embora mais tarde os arquitetos escolhessem deliberadamente esta forma. Os zigurates eram construídos no centro dos bairros religiosos das cidades. A sua principal função era religiosa, embora também fossem utilizados para fins científicos.

Os zigurates eram edifícios sólidos, construídos em tijolos de argila (tijolos de barro seco por dentro e tijolos cozidos por fora). Os zigurates possuíam sistemas de escoamento contra cheias. Todos os níveis estavam rodeados por grossas paredes.

Escadarias externas conduziam ao altar situado no topo. A estátua do deus protetor do templo encontrava-se no altar, diante da entrada. De acordo com os mesopotâmios, o altar era a ´residência´ da divindade.

No nível superior eram também realizadas observações astronómicas.

O Grande Zigurate de Ur atualmente

Santuário

A religião suméria

Os sumérios tinham uma mitologia rica, sendo que determinadas fontes mencionam a adoração de milhares de divindades. Os seus deuses eram identificados com as forças da natureza. Os três principais eram Anu (pai e rei dos deuses, deus -céu), Enlil (deus do ar, sopro e ventos) e Enki (deus da água). Utu (deus do Sol), Nanna (deus da Lua) e Innin (deusa da fertilidade) eram também adorados com enorme respeito.

As cerimónias religiosas tornaram-se cada vez mais complexas e a influência da classe eclesiástica aumentou. Os monarcas eram também líderes religiosos. A divinação (previsão do futuro com base na astronomia) era prática comum. Os eruditos sumérios dedicavam-se não só à religião como também às ciências.

Os sumérios acreditavam na vida além da morte, no Céu e no Inferno. Os seus deuses eram cruéis e caprichosos, pelo que muitas vezes lhes eram oferecidos sacrifícios nos altares.

Escadas

O templo e o sacerdócio

O principal marco cultural da terceira dinastia de Ur (fundada pelo Reio Ur-Nammu) foi a cosntrução de zigurates.

O Grande Zigurate de Ur foi edificado em honra de Nanna, deus da Lua. A estrutura tinha cerca de 30 metros de altura, 64 de comprimento e 46 de largura. Havia três escadarias, sendo que a central conduzia ao altar do deus.

Concebido para fins rituais, o complexo sistema de escadarias e divisões simbolizava a hierarquia de sacerdotes e divindades. Líderes da vida religiosa, os sacerdotes eram os mediadores entre as divindades e os seres humanos, bem como videntes, sendo tratados com grande respeito.

Sacerdotes e funcionários viviam em aposentos no templo, o qual possuía também um enorme espaço para arquivos.

Animação

A cidade de Ur

Viagem no tempo

Narração

Os povos da Mesopotâmia Antiga enriqueceram a cultura universal com numerosas obras de valor. Entre elas, incluem-se edifícios que provam o avanço da cultura mesopotâmica. À imagem de outros povos antigos, os mesopotâmios também construíram os seus maiores edifícios por motivos religiosos.

Os zigurates eram típicas estruturas mesopotâmicas, com a forma de pirâmides com terraços, vários níveis proporcionalmente decrescendo em superfície e um santuário no nível superior. Esta forma foi inicialmente o resultado de uma contínua renovação e expansão de templos anteriores. Os zigurates faziam parte do bairro religioso amuralhado que havia nos centros das cidades.

O mais famoso edifício deste tipo é o Grande Zigurate de Ur. Embora normalmente os zigurates consistissem de sete níveis, este apenas tinha quatro, cada um deles rodeado de muralhas. O edifício tinha cerca de 30 metros de altura, 64 de comprimento e 46 de largura. As paredes interiores eram feitas de tijolos de lama seca e as muralhas exteriores de tijolos cozidos.

Havia nichos na muralha exterior. Sacerdotes e funcionários viviam em aposentos no interior do zigurate. Era possível aceder ao primeiro nível por meio de três escadarias externas, as quais depois se juntavam e conduziam ao nível mais alto do edifício, onde estava o santuário. Era aqui que os sacrifícios e cerimónias mais importantes eram conduzidos pelos sacerdotes. Este nível não só servia fins religiosos como também científicos: era a partir daqui que sacerdotes e astrónomos (ou astrólogos) realizavam observações astronómicas.

A posição central e fechada do bairro religioso no centro das cidades e a estrutura dos zigurates ilustra a hierarquia da sociedade mesopotâmica. A finalidade das torres era servir como porta de acesso entre o ser humano e o mundo das divindades.

Extras relacionados

Cidade de Ur (3º milénio a.C.)

A cidade situada perto do rio Eufrates foi um centro importante na antiga Suméria.

Invenções da Mesopotâmia (3º milénio a.C.)

Estas invenções, revolucionárias até na sua simplicidade, são ainda hoje utilizadas.

A cidade de Babilónia (século VI a.C.)

A antiga cidade da Babilónia foi construída nas margens do rio Eufrates, na Mesopotâmia.

Código de Hamurabi

O código de Hamurabi é o símbolo da civilização da Mesopotâmia, sendo constituído por 282 leis gravadas numa estela de basalto.

Da Idade da Pedra à Idade do Ferro

Esta animação apresenta o desenvolvimento do machado através dos períodos arqueológicos.

Impérios antigos lendários

Vários impérios lendários foram construídos (e destruídos) ao longo da história.

Maravilhas do Mundo Antigo

As Pirâmides de Gizé são a única maravilha do Mundo Antigo ainda hoje intacta.

Medição do Tempo

Os primeiros calendários e instrumentos de medição de tempo eram já usados nas antigas civilizações orientais.

Pirâmide de Djoser (Sacará, Egito, século XXVII a.C.)

Esta pirâmide de degraus, construída no século XXVII a.C., foi a primeira pirâmide egípcia.

Pirâmides de Gizé (3º milénio a.C.)

A Necrópole de Gizé é a única das maravilhas antigas ainda intacta.

Teotihuacan (século IV)

Esta cidade, majestosa mesmo nas suas ruínas, foi a maior e mais populosa povoação da América pré-colombiana.

Chichén Itzá (século XII)

A lendária cidade do império maia-tolteca ficava situada no território do atual México.

Povoação neolítica

Em resultado dos avanços revolucionários do Neolítico, as comunidades humanas estabeleceram as primeiras povoações permanentes.

Tenochtitlán (século XV)

A magnificiência do Império Asteca surpreendeu até os conquistadores espanhóis.

Capela de Notre-Dame-du-Haut (Ronchamp, França, 1950)

Capela de peregrinação concebida pelo arquiteto francês Le Corbusier, um dos mais importantes arquitetos do século XX.

Catedral de São Basílio (Moscovo, século XVI)

Consagrada a São Basílio, a catedral foi mandada construir por Ivan, o Terrível.

Catedral gótica (Clermont-Ferrand, século XV)

Nomeada em referência à Assunção de Maria ao Céu, a catedral é uma das pérolas da arquitetura gótica francesa.

Mesquita Jameh (Isfahan, século XV)

As suas soluções e ornamentos arquitetónicos fazem desta mesquita uma das obras-primas da arte islâmica.

Necrópole paleocristã, Cella Septichora (século IV, Pécs, Hungria)

A Necrópole paleocristã de Pécs, Hungria, é um local histórico incomparável.

Necrópole paleocristã, Cella trichora (Pécs, Hungria)

A Necrópole paleocristã de Pécs, na Hungria, é um local histórico incomparável.

Panteão (Roma, século II)

O "Templo de todos os deuses" foi construído durante o reinado do imperador romano Adriano.

Stonehenge (Grã-Bretanha, Idade do Bronze)

Datado da Idade do Bronze e situado em Inglaterra, este monumento mundialmente famoso contém ainda vários mistérios para os arqueologistas de hoje.

Templo de Salomão (Jerusalém, século X a.C.)

O templo de Salomão tornou-se um dos mais importantes símbolos da arquitetura judaica.

Added to your cart.