O teu carrinho de compras está vazio

Loja

Quantidade: 0

Total: 0,00

0

Motor diesel

Motor diesel

O engenheiro alemão Rudolf Diesel patenteou o motor diesel em 1893.

Física

Palavras-chave

motor a diesel, motor, motor de combustão interna, cilindros, diesel, cardan, eixo, óleo diesel, pistão, válvula, injeção, compressão, admissão, explosão, automóvel, camião, carro, autocarro, tempo, tempo de combustão, auto-ignição, poluição ambiental, dano ambiental, poluição do ar, máquina térmica, trabalho, ciclo, fábrica de automóveis, produção automóvel, termodinâmica, física

Extras relacionados

Cenas

Motor

  • bloco de motor - É a peça de metal que aloja as diferentes partes do motor.
  • caixa de velocidades - Ajusta a proporção de transmissão entre o motor e o eixo de transmissão. Muda o número de rotações das rodas durante uma rotação da cambota. Na primeira velocidade, a potência do motor é maior, mas a velocidade é menor. Em marcha superior, o carro é mais rápido e usa menos combustível, mas acelera mais lentamente.
  • filtro de ar - O ar flui em direcção à câmara de combustão do motor, que contém o oxigénio necessário para a combustão. O ar é limpo por este filtro.
  • coletor de admissão - O ar, necessário para a combustão, flui em direcção ao cilindro através deste tubo.
  • coletor de escape - Os gases de combustão são expelidos por aqui.
  • correia de distribuição - Transmite a rotação da cambota ao eixo de comando.
  • injeção de combustível

Funcionamento

  • porta de admissão - O ar flui em direcção à câmara de combustão (a parte do cilindro acima do pistão) através desta abertura.
  • injeção de combustível - O ponto de ignição do gasóleo é mais alto do que o da gasolina, por isso o ar quente comprimido inflama-o sem uma faísca de ignição. A explosão empurra o pistão.
  • porta de escape - Coordenam a admissão de ar e a saída dos gases de combustão. São operados pela cambota através da correia de distribuição.
  • válvula de admissão - A sua abertura e fecho são coordenados pelo movimento do pistão. Abre-se no primeiro tempo, quando o descanso do pistão reduz a pressão dentro do cilindro, permitindo a entrada de ar.
  • válvula de escape - A sua abertura e fecho são coordenados pelo movimento do pistão. Abre-se no quarto tempo, quando o pistão ascende e ajuda a expulsar os gases de combustão.
  • pistão - O seu movimento alternante rítmico assegura a rotação da cambota. A explosão do combustível faz com que o pistão desça. A inércia da cambota girada provoca a sua subida, descida e nova subida. Segue-se uma nova ignição.
  • cilindro - A explosão força o pistão a mover-se para baixo dentro do cilindro.
  • biela
  • cambota - O movimento alternante do pistão causa a rotação da cambota.

Tempo 1

  • porta de admissão - O ar flui em direcção à câmara de combustão (a parte do cilindro acima do pistão) através desta abertura.
  • injeção de combustível - O ponto de ignição do gasóleo é mais alto do que o da gasolina, por isso o ar quente comprimido inflama-o sem uma faísca de ignição. A explosão empurra o pistão.
  • porta de escape - Coordenam a admissão de ar e a saída dos gases de combustão. São operados pela cambota através da correia de distribuição.
  • válvula de admissão - A sua abertura e fecho são coordenados pelo movimento do pistão. Abre-se no primeiro tempo, quando o descanso do pistão reduz a pressão dentro do cilindro, permitindo a entrada de ar.
  • válvula de escape - A sua abertura e fecho são coordenados pelo movimento do pistão. Abre-se no quarto tempo, quando o pistão ascende e ajuda a expulsar os gases de combustão.
  • pistão - O seu movimento alternante rítmico assegura a rotação da cambota. A explosão do combustível faz com que o pistão desça. A inércia da cambota girada provoca a sua subida, descida e nova subida. Segue-se uma nova ignição.
  • cilindro - A explosão força o pistão a mover-se para baixo dentro do cilindro.
  • biela
  • cambota - O movimento alternante do pistão causa a rotação da cambota.

Tempo 2

  • porta de admissão - O ar flui em direcção à câmara de combustão (a parte do cilindro acima do pistão) através desta abertura.
  • injeção de combustível - O ponto de ignição do gasóleo é mais alto do que o da gasolina, por isso o ar quente comprimido inflama-o sem uma faísca de ignição. A explosão empurra o pistão.
  • porta de escape - Coordenam a admissão de ar e a saída dos gases de combustão. São operados pela cambota através da correia de distribuição.
  • válvula de admissão - A sua abertura e fecho são coordenados pelo movimento do pistão. Abre-se no primeiro tempo, quando o descanso do pistão reduz a pressão dentro do cilindro, permitindo a entrada de ar.
  • válvula de escape - A sua abertura e fecho são coordenados pelo movimento do pistão. Abre-se no quarto tempo, quando o pistão ascende e ajuda a expulsar os gases de combustão.
  • pistão - O seu movimento alternante rítmico assegura a rotação da cambota. A explosão do combustível faz com que o pistão desça. A inércia da cambota girada provoca a sua subida, descida e nova subida. Segue-se uma nova ignição.
  • cilindro - A explosão força o pistão a mover-se para baixo dentro do cilindro.
  • biela
  • cambota - O movimento alternante do pistão causa a rotação da cambota.

Tempo 3

  • porta de admissão - O ar flui em direcção à câmara de combustão (a parte do cilindro acima do pistão) através desta abertura.
  • injeção de combustível - O ponto de ignição do gasóleo é mais alto do que o da gasolina, por isso o ar quente comprimido inflama-o sem uma faísca de ignição. A explosão empurra o pistão.
  • porta de escape - Coordenam a admissão de ar e a saída dos gases de combustão. São operados pela cambota através da correia de distribuição.
  • válvula de admissão - A sua abertura e fecho são coordenados pelo movimento do pistão. Abre-se no primeiro tempo, quando o descanso do pistão reduz a pressão dentro do cilindro, permitindo a entrada de ar.
  • válvula de escape - A sua abertura e fecho são coordenados pelo movimento do pistão. Abre-se no quarto tempo, quando o pistão ascende e ajuda a expulsar os gases de combustão.
  • pistão - O seu movimento alternante rítmico assegura a rotação da cambota. A explosão do combustível faz com que o pistão desça. A inércia da cambota girada provoca a sua subida, descida e nova subida. Segue-se uma nova ignição.
  • cilindro - A explosão força o pistão a mover-se para baixo dentro do cilindro.
  • biela
  • cambota - O movimento alternante do pistão causa a rotação da cambota.

Tempo 4

  • porta de admissão - O ar flui em direcção à câmara de combustão (a parte do cilindro acima do pistão) através desta abertura.
  • injeção de combustível - O ponto de ignição do gasóleo é mais alto do que o da gasolina, por isso o ar quente comprimido inflama-o sem uma faísca de ignição. A explosão empurra o pistão.
  • porta de escape - Coordenam a admissão de ar e a saída dos gases de combustão. São operados pela cambota através da correia de distribuição.
  • válvula de admissão - A sua abertura e fecho são coordenados pelo movimento do pistão. Abre-se no primeiro tempo, quando o descanso do pistão reduz a pressão dentro do cilindro, permitindo a entrada de ar.
  • válvula de escape - A sua abertura e fecho são coordenados pelo movimento do pistão. Abre-se no quarto tempo, quando o pistão ascende e ajuda a expulsar os gases de combustão.
  • pistão - O seu movimento alternante rítmico assegura a rotação da cambota. A explosão do combustível faz com que o pistão desça. A inércia da cambota girada provoca a sua subida, descida e nova subida. Segue-se uma nova ignição.
  • cilindro - A explosão força o pistão a mover-se para baixo dentro do cilindro.
  • biela
  • cambota - O movimento alternante do pistão causa a rotação da cambota.

Construção interna

  • radiador - Durante o funcionamento do motor, a água de arrefecimento aquece e, de seguida, liberta o calor para o ambiente.
  • motor
  • caixa de velocidades - Ajusta a proporção de transmissão entre o motor e o eixo de transmissão. Muda o número de rotações das rodas durante uma rotação da cambota. Na primeira velocidade, a potência do motor é maior, mas a velocidade é menor. Em marcha superior, o carro é mais rápido e usa menos combustível, mas acelera mais lentamente.
  • eixo de transmissão - Transmite o movimento rotatório da cambota às rodas.
  • depósito de combustível - O combustível usado no motor diesel é o gasóleo. Tem um ponto de ignição mais baixo que o da gasolina, pelo que explode sem uma faísca de ignição.
  • engrenagem diferencial - Durante uma curva, permite que as rodas girem a uma velocidade diferente.
  • veio acionado - A rotação da cambota é transmitida ao veio accionado pelo eixo de transmissão.
  • tubo de escape - Os gases de combustão saem através deste tubo. No caso de motores diesel, a combustão é menos perfeita do que em motores de gasolina, pelo que emitem mais substâncias nocivas.

Cilindros

  • cambota - É impulsionado pelos pistões. A sua rotação é transmitida ao veio accionado pelo eixo de transmissão e ao eixo de comando pela correia de distribuição, que opera as válvulas.
  • eixo de comando - A sua rotação assegura o funcionamento rítmico das válvulas e é controlado pela cambota através da correia de distribuição.
  • pistão - O seu movimento alternante causa o movimento rotatório da cambota.
  • válvulas - Coordenam a admissão de ar e a saída dos gases de combustão. São operados pela cambota através da correia de distribuição.

Animação

  • motor
  • caixa de velocidades - Ajusta a proporção de transmissão entre o motor e o eixo de transmissão. Muda o número de rotações das rodas durante uma rotação da cambota. Na primeira velocidade, a potência do motor é maior, mas a velocidade é menor. Em marcha superior, o carro é mais rápido e usa menos combustível, mas acelera mais lentamente.
  • eixo de transmissão - Transmite o movimento rotatório da cambota às rodas.
  • cambota - É impulsionado pelos pistões. A sua rotação é transmitida ao veio accionado pelo eixo de transmissão e ao eixo de comando pela correia de distribuição, que opera as válvulas.
  • eixo de comando - A sua rotação assegura o funcionamento rítmico das válvulas e é controlado pela cambota através da correia de distribuição.
  • pistão - O seu movimento alternante causa o movimento rotatório da cambota.
  • válvulas - Coordenam a admissão de ar e a saída dos gases de combustão. São operados pela cambota através da correia de distribuição.
  • porta de admissão - O ar flui em direcção à câmara de combustão (a parte do cilindro acima do pistão) através desta abertura.
  • injeção de combustível - O ponto de ignição do gasóleo é mais alto do que o da gasolina, por isso o ar quente comprimido inflama-o sem uma faísca de ignição. A explosão empurra o pistão.
  • porta de escape - Coordenam a admissão de ar e a saída dos gases de combustão. São operados pela cambota através da correia de distribuição.
  • válvula de admissão - A sua abertura e fecho são coordenados pelo movimento do pistão. Abre-se no primeiro tempo, quando o descanso do pistão reduz a pressão dentro do cilindro, permitindo a entrada de ar.
  • válvula de escape - A sua abertura e fecho são coordenados pelo movimento do pistão. Abre-se no quarto tempo, quando o pistão ascende e ajuda a expulsar os gases de combustão.
  • pistão - O seu movimento alternante rítmico assegura a rotação da cambota. A explosão do combustível faz com que o pistão desça. A inércia da cambota girada provoca a sua subida, descida e nova subida. Segue-se uma nova ignição.
  • cilindro - A explosão força o pistão a mover-se para baixo dentro do cilindro.
  • biela
  • cambota - O movimento alternante do pistão causa a rotação da cambota.

Narração

Sabemos que os carros são impulsionados por motores, mas como é que estes funcionam concretamente? O movimento rotativo da cambota do motor é transmitido às rodas pelo eixo de transmissão. A caixa de velocidades muda o número de rotações das rodas durante uma rotação da cambota. Na primeira velocidade, a potência do motor é maior, mas a velocidade é menor. Numa velocidade superior, o carro é mais rápido e usa menos combustível, mas acelera mais lentamente.

Para além do motor de quatro tempos, o tipo de motor mais comum em carros é o motor diesel, que utiliza gasóleo em vez de gasolina. O movimento vertical alternante dos pistões no motor diesel converte-se na rotação da cambota. A cambota aciona o eixo de transmissão e o eixo de comando através da correia de distribuição. O eixo de comando aciona as válvulas que asseguram a entrada de ar e a expulsão dos gases de escape através de uma abertura e fecho realizados de forma rítmica e coordenada.

O primeiro tempo é a admissão. O pistão desce, retirando pressão do cilindro. A válvula de admissão abre-se e o ar entra.

O segundo tempo é a compressão: tanto a válvula de admissão como a de escape estão fechadas. O impulso da cambota e do contrapeso faz com que o pistão suba e comprima o ar, aumentando a temperatura.

O terceiro tempo é a expansão. O combustível diesel injetado no ar quente e comprimido inflama. Ao contrário dos motores de gasolina, os motores a diesel não necessitam de faísca de ignição para inflamar o combustível. A explosão empurra o pistão para baixo.

O quarto tempo é o escape. O pistão sobe, a válvula de escape abre-se e saem os gases da combustão.

Como se pode ver, o movimento linear do pistão converte-se no movimento rotatório da cambota. A energia necessária para mover o pistão é fornecida pela combustão do gasóleo.

Extras relacionados

Motor de dois tempos

Um motor de dois tempos é um tipo de motor de combustão interna com um ciclo de apenas dois tempos.

Motor Otto de quatro tempos

Esta animação apresenta o tipo de motor mais comumente utilizado em automóveis.

Motor radial

O motor radial utiliza-se sobretudo em aviões e helicópteros.

Motor stirling - motor de ar quente

Os motores stirling são também conhecidos como motores de combustão externa. Ao contrário dos motores de combustão interna (como por exemplo o motor otto),...

Motor wankel

Tipo de motor rotativo de elevada eficiência.

Diagrama p-V-T para gases ideais

A relação entre a pressão, o volume e a temperatura dos gases ideais é descrita pelas leis dos gases.

Eolípila de Heron

Heron de Alexandria foi o inventor do primeiro motor a vapor, embora ele o considerasse um brinquedo.

Como funciona a caixa de velocidades?

Nos sistemas de transmissão, o torque do motor é modificado pela redução ou aumento da velocidade rotacional.

Como funciona a ceifeira-debulhadora?

As ceifeiras debulhadores são máquinas que ceifam e debulham culturas cerealíferas.

Como funciona a engrenagem diferencial?

Uma engrenagem diferencial permite que as rodas motrizes de um automóvel rodem a velocidades diferentes quando o carro está a virar.

Fórmula 1 (carro de corrida)

A Fórmula 1 é o maior e mais popular desporto automóvel.

Máquina a vapor de James Watt (século XVIII)

A máquina a vapor elaborada pelo engenheiro escocês, com as suas várias possibilidades de uso, revolucionou a técnica.

Motor de corrente contínua

Entre os ímanes permanentes do motor de corrente contínua há uma bobina por onde flui a corrente elétrica.

Refinaria de petróleo

Entre os produtos provenientes do petróleo refinado, incluem-se o gasóleo, a gasolina e os lubrificantes.

Tipos de engrenagens?

Duas engrenagens transmitem torque durante o seu movimento de rotação.

Locomotiva diesel MÁV M61 (1963)

As lendárias locomotivas M61 dos transportes ferroviários húngaros tinham o nome de NOHAB.

Estrutura do carro

Esta animação mostra o exterior e o interior de um carro, bem como o seu funcionamento.

Ford Modelo T

O popular modelo da fábrica automóvel americana foi o primeiro carro no mundo a ser produzido em massa.

Funcionamento dos poços de petróleo

Maquinaria que bombeia o crude para a superfície.

Plataforma petrolífera

Um longo tubo no centro da torre penetra no fundo do oceano até alcançar a camada que contém petróleo.

Veículos ecológicos

A combinação de um sistema de propulsão de um convencional motor de combustão interna com um sistema de propulsão eléctrica reduz as emissões.

Added to your cart.