O teu carrinho de compras está vazio

Loja

Quantidade: 0

Total: 0,00

0

Escolopendra

Escolopendra

Esta cena 3D apresenta uma espécie de centopeia, distribuída pela região do Mediterrâneo.

Biologia

Palavras-chave

centopeia, corpo segmentado, artrópode, ovo, venenoso, artrópodes, segmentos, segmento, apêndice articulado, glândula de veneno, glândula, animal, biologia, predador

Extras relacionados

Cenas

Escolopendra

A escolopendra vive principalmente na zona do Mediterrâneo, mas também pode ser encontrada nas outras regiões temperadas da Europa. Tal como outras centopeias, a escolopendra prefere ambientes húmidos, uma vez que a sua cutícula não é cerosa e consequentemente não protege o animal da desidratação.
A escolopendra desloca-se rapidamente, num movimento ondulado característico.
É carnívora e ataca quase todos os animais que não sejam maiores que ela. As suas presas incluem insetos e também pequenos lagartos. Nos seres humanos, a sua mordedura pode causar dor e pele inflamada.

Locomoção

Anatomia

  • comprimento: 6–13 cm
  • antenas - São encontradas no primeiro segmento do corpo.
  • patas articuladas - Cada pata termina em gancho, o que ajuda a capturar a presa.
  • olhos simples
  • forcípulas
  • tergito
  • cápsula cefálica
  • mandíbulas mastigadoras

A escolopendra tem um corpo alongado que é consituído geralmente por 21 segmentos. São todos semelhantes em tamanho, exceto a cabeça. Cada segmento tem um par de patas articuladas, enquanto a cabeça tem um único par de antenas.

A sua capacidade de recuperação é extraordinária: se perder uma perna ou uma antena, consegue gerar novas.

O primeiro par de patas, chamadas forcípulas ou garras venenosas, é diferente dos outros: estas são pontiagudas e em forma de gancho, com uma glândula venenosa na ponta. A centopeia paralisa a sua presa com a ajuda destas patas modificadas.

O comprimento médio da escolopendra varia entre os 6 e os 13 cm, mas também já foram encontrados espécimes de comprimentos até aos 17 cm.

Órgãos internos

  • cérebro - É constituído por um par de gânglios.
  • órgão reprodutivo
  • coração de várias câmaras
  • glândula salivar - A saliva produzida por esta glândula humedece o alimento e as suas enzimas começam o processo digestivo.
  • estômago
  • túbulos de Malpighi - Órgãos excretores localizados na fronteira entre o intestino médio e o intestino grosso. Os túbulos filtram a hemolinfa que enche as cavidades corporais e libertam o filtrado no trato digestivo.
  • intestino posterior - Os túbulos de Malpighi filtram a hemolinfa que enche as cavidades corporais e libertam o filtrado no trato digestivo. Aqui, os nutrientes (água, açúcar, etc.) são absorvidos pela hemolinfa, enquanto os resíduos e as toxinas são excretados através do ânus.
  • glândula acessória
  • glândula venenosa
  • glândula reprodutiva

Ciclo de vida

  • ovo
  • escolopendra recém-nascida
  • escolopendra jovem
  • escolopendra adulta

As escolopendras reproduzem-se através de ovos. A fêmea põe aproximadamente 10 a 15 ovos e guarda-os, bem como as larvas após a eclosão, durante cerca de 2 meses. As centopeias recém-incubadas são diferentes das adultas apenas na sua cor e no número de patas. Até atingirem o tamanho adulto, elas mudam várias vezes e geram novos segmentos entre cada muda.

Narração

A escolopendra vive principalmente na zona do Mediterrâneo, mas também pode ser encontrada nas outras regiões temperadas da Europa. Tal como outras centopeias, a escolopendra prefere ambientes húmidos, uma vez que a sua cutícula não é cerosa e consequentemente não protege o animal da desidratação.
A escolopendra desloca-se rapidamente, num movimento ondulado característico.
É carnívora e ataca quase todos os animais que não sejam maiores que ela. As suas presas incluem insetos e também pequenos lagartos. Nos seres humanos, a sua mordedura pode causar dor e pele inflamada.

A escolopendra tem um corpo alongado que é consituído geralmente por 21 segmentos. São todos semelhantes em tamanho, exceto a cabeça. Cada segmento tem um par de patas articuladas, enquanto a cabeça tem um único par de antenas.

A sua capacidade de recuperação é extraordinária: se perder uma perna ou uma antena, consegue gerar novas.

O primeiro par de patas, chamadas forcípulas ou garras venenosas, é diferente dos outros: estas são pontiagudas e em forma de gancho, com uma glândula venenosa na ponta. A centopeia paralisa a sua presa com a ajuda destas patas modificadas.

O comprimento médio da escolopendra varia entre os 6 e os 13 cm, mas também já foram encontrados espécimes de comprimentos até aos 17 cm.

As escolopendras reproduzem-se através de ovos. A fêmea põe aproximadamente 10 a 15 ovos e guarda-os, bem como as larvas após a eclosão, durante cerca de 2 meses. As centopeias recém-incubadas são diferentes das adultas apenas na sua cor e no número de patas. Até atingirem o tamanho adulto, elas mudam várias vezes e geram novos segmentos entre cada muda.

Extras relacionados

Reprodução e desenvolvimento dos insetos

De acordo com o seu ciclo de vida, os insetos podem sofrer três tipos de metamorfose: ametabolia, hemimetabolia ou holometabolia.

Aranha de jardim

Esta animação mostra a anatomia das aranhas através do exemplo de uma espécie comum europeia.

Aranha-violino

A mordedura venenosa da aranha-marron representa um grande perigo para a saúde humana.

Escorpião de cauda grossa

O androctonus australis é um dos escorpiões mais perigosos do mundo.

Fauna e Flora carbonífera

Esta animação apresenta animais e plantas, muitos dos quais viviam no período entre o Devoniano e o Permiano (há 358-299 milhões de anos).

Formiga-vermelha

Numa colónia de formigas encontramos a rainha, os machos e as obreiras.

Lagostim de água doce

Tipo de lagostim de grandes dimensões que vive em água doce, na Europa.

Tarântula de joelhos vermelhos mexicana

Uma das mais conhecidas espécies de aranhas, muitas vezes mantidas como animais de estimação. A sua mordedura não é fatal para o ser humano.

Added to your cart.