O teu carrinho de compras está vazio

Loja

Quantidade: 0

Total: 0,00

0

Canal do Panamá

Canal do Panamá

O Canal do Panamá é uma hidrovia artificial criada para encurtar as rotas marítimas entre o Oceano Pacífico e o Oceano Atlântico.

Geografia

Palavras-chave

Canal do Panamá, Panamá, canal, transporte aquático, sistema de eclusas, eclusa, comércio, navegação, transporte de mercadorias, rotas, transporte, logística, América, América do Norte, Ámérica do Sul, América Central, Oceano Pacífico, caraíba, capacidade de transporte, nó de ligação, Atlanti-óceán, Cólon, infra-estrutura, global, economia, Terra, sociedade, geografia humana, rede, globalização, geografia, globo, técnica

Extras relacionados

Cenas

Centros de tráfego marítimo

  • Øresund
  • Bósforo
  • Canal de Suez
  • Estreito de Ormuz
  • Bab el-Mandeb
  • Estreito de Malaca
  • Canal do Panamá
  • Cabo da Boa Esperança
  • Cabo Horn
  • Estreito de Gibraltar
  • Canal da Mancha
  • África
  • Europa
  • Ásia
  • Austrália
  • América do Norte
  • América do Sul
  • Oceano Atlântico
  • Oceano Pacífico
  • Oceano Índico

O Canal do Panamá é uma hidrovia artificial, construída para encurtar as rotas marítimas no Istmo do Panamá, o qual liga a América do Norte à América do Sul. O canal, inaugurado em 1914, liga o Oceano Pacífico ao Mar das Caraíbas.

Canal do Panamá

  • Oceano Pacífico
  • Mar das Caraíbas
  • Colón
  • Cidade do Panamá
  • Baía Limón
  • Eclusas de Gatún
  • Eclusas de Água Clara
  • Rio Chagres
  • Lago Gatún
  • ferrovias
  • rota marítima
  • Corte Culebra
  • Eclusas de Pedro Miguel
  • Eclusas de Miraflores
  • Eclusas de Cocoli
  • Ponte das Américas

A construção do canal arrancou em 1881 e foi iniciada por uma companhia francesa. A construção foi liderada por Ferdinand de Lesseps, que liderara também com sucesso a construção do Canal de Suez. No entanto, uma vez que as condições geográficas e climáticas da região foram avaliadas erradamente, surgiram vários problemas de engenharia e de saúde, bem como financeiros. O projeto parecia ter falhado e a companhia faliu. O maior desafio de engenharia foi a escavação do Corte Culebra, uma vale artificial que corta a Divisória Continental. Em 1904, os Estados Unidos assumiram o projeto e em 1914 terminaram as obras e inauguraram o canal.

Com 80 km de comprimento, o canal era constituído por vários lagos artificiais, canais naturais e artificiais, bem como três sistemas de eclusas. O canal do Panamá esteve sob controlo dos Estados Unidos até 1999, ano em que foi assumido pelo governo panamenho.

Milhares de navios atravessam o canal anualmente. Em 2010, o canal foi atravessado pela milionésima embarcação, um navio chinês.

O aumento do tráfego e navios de maior tamanho tornaram necessário ampliar do canal. As obras de ampliação começaram em 2007. Eclusas mais amplas e de maior profundidade foram necessárias para que os navios de maior tamanho pudessem atravessar o canal. Dois novos sistemas de eclusas foram construídos, o Corte de Culebra foi alargado e os lagos artificiais também foram ampliados e aprofundados. A ampliação do canal foi concluída em 2016.

Tamanho máximo dos navios

  • Panamax
  • 294 m
  • 32 m
  • Neopanamax
  • 366 m
  • 49 m

Antes da ampliação do canal, apenas os navios de tipo Panamax podiam atravessar o canal. O termo Panamax refere que os navios desse tipo foram concebidos para atravessar o Canal do Panamá. Desde a ampliação que os navios Neopanamax, com um tamanho e uma capacidade de transporte consideravelmente maiores do que os navios Panamax, também podem navegar através do canal.

Vista lateral

  • Eclusas de Miraflores
  • Lago Miraflores
  • Eclusas de Pedro Miguel
  • Lago Gatún
  • Eclusas de Gatún
  • 26 m

Os sistemas de eclusas podem elevar e descer os navios, vencendo um desnível de 26 metros. Cada sistema consiste de várias câmaras, pelo que a subida e descida dos navios acontece em três fases. As locomotivas elétricas ajudam os navios a atravessarem as antigas eclusas, enquanto nas novas eclusas são os rebocadores que ajudam o trânsito. Nas demais partes do canal, a navegação é auxiliada por pilotos. Um navio, leva geralmente entre 8 e 10 horas a completar o trajeto.

Rotas alternativas

  • Nova Iorque
  • Canal do Panamá
  • Cabo Horn
  • São Francisco
  • Xangai
  • 30.500 km
  • 19.500 km
  • 8.400 km
  • 21.000 km
  • 4.700 km

Sem o canal, a viagem entre a Ásia e a costa oriental do continente americano seria milhares de quilómetros mais comprida. O canal encurta também as rotas marítimas entre as costas orientais e ocidentais dos Estados Unidos. O transporte rodoviário entre as costas orientais e ocidentais dos Estados Unidos realiza-se num trajeto mais curto, durante menos tempo, no entanto o transporte marítimo é muito mais económico, já que os navios podem levar várias vezes a carga de um comboio de mercadorias.

Dados

  • Principais rotas comerciais
  • Uso da água
  • Tráfego
  • Tipos de embarcações

Rotas

Mais de metade dos navios que atravessam o Canal do Panamá circula entre a Ásia e a costa oriental da América do Norte, mas também há um tráfego marítimo significativo entre a costa ocidental da América do Sul e a costa oriental da América do Norte, bem como entre a costa ocidental americana e a Europa.

Uso de água

Uma câmara de eclusa é enchida de água em menos de 8 minutos. Com a construção de novas eclusas, a perda de água diminuiu cerca de 10%. 60% da água utiilizada é reciclada.

Tráfego

O número dos navios que atravessam o canal aumentou continuamente até finais dos anos 1980, com a exceção dos anos da Segunda Guerra Mundial, embora tenha estagnado desde então. No entanto, a quantidade da carga transportada está em contínuo aumento, graças à crescente capacidade de carga dos navios.

Tipos de embarcações

São, maioritariamente, os navios porta-contentores que atravessam o Canal do Panamá. No entanto, enquanto os navios que transportam carga seca e química utilizam as antigas eclusas, construídas antes da ampliação, o transporte de gás realiza-se através dos novos sistemas de eclusas, que abriram em 2016.

Narração

O Canal do Panamá é uma hidrovia artificial, construída para encurtar as rotas marítimas no Istmo do Panamá, o qual liga a América do Norte à América do Sul. O canal, inaugurado em 1914, liga o Oceano Pacífico ao Mar das Caraíbas.

A construção do canal arrancou em 1881 e foi iniciada por uma companhia francesa. A construção foi liderada por Ferdinand de Lesseps, que liderara também com sucesso a construção do Canal de Suez. No entanto, uma vez que as condições geográficas e climáticas da região foram avaliadas erradamente, surgiram vários problemas de engenharia e de saúde, bem como financeiros. O projeto parecia ter falhado e a companhia faliu. O maior desafio de engenharia foi a escavação do Corte Culebra, uma vale artificial que corta a Divisória Continental. Em 1904, os Estados Unidos assumiram o projeto e em 1914 terminaram as obras e inauguraram o canal.

Com 80 km de comprimento, o canal era constituído por vários lagos artificiais, canais naturais e artificiais, bem como três sistemas de eclusas. O canal do Panamá esteve sob controlo dos Estados Unidos até 1999, ano em que foi assumido pelo governo panamenho.

Milhares de navios atravessam o canal anualmente. Em 2010, o canal foi atravessado pela milionésima embarcação, um navio chinês.

O aumento do tráfego e navios de maior tamanho tornaram necessário ampliar do canal. As obras de ampliação começaram em 2007. Eclusas mais amplas e de maior profundidade foram necessárias para que os navios de maior tamanho pudessem atravessar o canal. Dois novos sistemas de eclusas foram construídos, o Corte de Culebra foi alargado e os lagos artificiais também foram ampliados e aprofundados. A ampliação do canal foi concluída em 2016.

Antes da ampliação do canal, apenas os navios de tipo Panamax podiam atravessar o canal. O termo Panamax refere que os navios desse tipo foram concebidos para atravessar o Canal do Panamá. Desde a ampliação que os navios Neopanamax, com um tamanho e uma capacidade de transporte consideravelmente maiores do que os navios Panamax, também podem navegar através do canal.

Os sistemas de eclusas podem elevar e descer os navios, vencendo um desnível de 26 metros. Cada sistema consiste de várias câmaras, pelo que a subida e descida dos navios acontece em três fases. As locomotivas elétricas ajudam os navios a atravessarem as antigas eclusas, enquanto nas novas eclusas são os rebocadores que ajudam o trânsito. Nas demais partes do canal, a navegação é auxiliada por pilotos. Um navio, leva geralmente entre 8 e 10 horas a completar o trajeto.

Sem o canal, a viagem entre a Ásia e a costa oriental do continente americano seria milhares de quilómetros mais comprida. O canal encurta também as rotas marítimas entre as costas orientais e ocidentais dos Estados Unidos. O transporte rodoviário entre as costas orientais e ocidentais dos Estados Unidos realiza-se num trajeto mais curto, durante menos tempo, no entanto o transporte marítimo é muito mais económico, já que os navios podem levar várias vezes a carga de um comboio de mercadorias.

Mais de metade dos navios que atravessam o Canal do Panamá circula entre a Ásia e a costa oriental da América do Norte, mas também há um tráfego marítimo significativo entre a costa ocidental da América do Sul e a costa oriental da América do Norte, bem como entre a costa ocidental americana e a Europa.

Uma câmara de eclusa é enchida de água em menos de 8 minutos. Com a construção de novas eclusas, a perda de água diminuiu cerca de 10%. 60% da água utiilizada é reciclada.

O número dos navios que atravessam o canal aumentou continuamente até finais dos anos 1980, com a exceção dos anos da Segunda Guerra Mundial, embora tenha estagnado desde então. No entanto, a quantidade da carga transportada está em contínuo aumento, graças à crescente capacidade de carga dos navios.

São, maioritariamente, os navios porta-contentores que atravessam o Canal do Panamá. No entanto, enquanto os navios que transportam carga seca e química utilizam as antigas eclusas, construídas antes da ampliação, o transporte de gás realiza-se através dos novos sistemas de eclusas, que abriram em 2016.

Extras relacionados

Funcionamento de eclusas fluviais

As eclusas fluviais tornam seguros para a navegação os rios com grandes diferenças de nível.

O norte desenvolvido e o sul em desenvolvimento

Há um grande fosso entre as condições socioeconómicas dos hemisférios norte e sul. As causas...

Funcionamento dos poços de petróleo

Maquinaria que bombeia o crude para a superfície.

Sistema de defesa contra cheias

O aterro de protecção ou, em caso de enchentes menores, o dique de verão, assegura a...

Porto

Os portos têm de fornecer as infraestruturas e serviços necessários à indústria e...

Plataforma petrolífera

Um longo tubo no centro da torre penetra no fundo do oceano até alcançar a camada que...

Eurotúnel

O Eurotúnel é um túnel ferroviário de 50,5 km de comprimento, localizado sob o Canal da...

Added to your cart.